Arq Design: o luxo na arquitetura e os desafios de quebrar paradigmas

Com projeto premiadíssimo, o hotel Hilton Pattaya tem aparência luxuosa ao mesmo tempo que engloba diversas soluções sustentáveis em seu projeto.

Foto Wison Tungthunya para ArchDaily.

Começou no último dia 26 o Arq Design, um curso gratuito e on-line, de formação continuada, criado em uma parceria entre o Shopping Casa & Design e a Univali.


O primeiro módulo foi apresentado pela Marina Otte, mestre especializada em Sustentabilidade, Biofilia e aspectos da Neurociência (membro da ANFA), além de especialista em Design de Produto, graduada em Arquitetura, com cursos na Espanha e China.

Com seu extenso currículo, a professora começou a sua aula “Arquitetura e Design de Interiores para o Mercado de Luxo” quebrando paradigmas. Em sua fala, fez questão de ressaltar que as definições sobre o que é luxo costumam vir carregadas de “pré-conceitos”.


Para Otte, é errôneo considerar que o luxo tem uma “cara”. Antenada, a profissional lembrou aos alunos que já não podemos mais usar peças chave como a definição de luxo. “Foi-se o tempo em que uma torneira dourada, um lustre de cristais e uma poltrona Luis XV eram capazes de tornar um ambiente luxuoso”, explicou com bom humor.


E, ao atualizar a imagem do que seria o luxo na arquitetura e no design, Marina rapidamente acrescentou outro conceito-chave à definição: a sustentabilidade. O que, inicialmente, pode soar como contraditório, na verdade hoje é parte fundamental do conceito de luxo. Porém, mais uma vez, ela relembrou a todos que a definição de sustentabilidade também não pode ser resumida aos clichês, como ser algo rústico ou feito com garrafas PET. E ao trazer esses dois conceitos repaginados e, melhor, agregados, Marina apresentou inúmeros exemplos em que o luxo e a sustentabilidade são aliados, sem renunciar ao estilo e nem à qualidade. E é justamente nessa junção a aposta para um futuro nada distante.


Luxo enquanto experiência


Além da preocupação ambiental, foi mostrado que o novo luxo diz respeito às experiências que o cercam. Ou seja, se antes ele poderia ser resumido a materiais, texturas ou cores, hoje apenas isso não seria o suficiente. É preciso investigar quais são os anseios que aquele produto ou serviço atende, com muita empatia com o consumidor e, de preferência, com uma boa história por trás do que é oferecido. Afinal, o mercado de luxo atual exige quatros “E”: emoção, exclusividade, engajamento e experiência. E, o que cada um desses "E" significam, vai mudar conforme a época, a sociedade e até mesmo a noção de conforto que um povo tem. Para tornar a experiência ainda mais completa, Marina trouxe exemplos como o hotel Hilton Pattaya, localizado na Tailândia que, apesar de ter uma aparência austera, é repleto de soluções sustentáveis.



Poltrona Astúrias de Carlos Mota. Foto site Carlos Motta.

A aparência rústica pode até enganar, mas a poltrona Astúrias de Carlos Mota é um artigo de luxo pela sua história, material e exclusividade. Foto site Carlos Motta.

Outra referência da profissional foi a poltrona Astúrias, criada pelo arquiteto e designer Carlos Motta. Surfista, ele começou a arrecadar madeiras trazidas pela água do mar e criou a poltrona usando esse material. Por se tratar de um trabalho com história, sustentabilidade e peças limitadíssimas, a peça alcançou o almejado status de luxo, apesar da sua aparência rústica e pouco tradicional.


Sendo assim, a primeira aula da formação Arq Design não deixou dúvidas que é preciso seguir sempre estudando. Afinal, tudo aquilo que temos por certo já não serve mais para definir conceitos como outrora. Principalmente quando estamos tratando de mercado de luxo.


Uma aula que serviu para quebrar limites e deixou todos os alunos com as ideias de pernas para o ar. Do jeito que o mundo criativo adora.


O Arq Design vai até dia 23/06 com os seguintes temas:


“O paisagismo como meio de transformação da vida cotidiana”, será em 09/06, com o doutorando Timóteo Schroeder, arquiteto e urbanista formado pela Univali, com parte da graduação na Universidade de Coimbra.

"A fotografia de arquitetura e smartphones: desmistificando o olhar arquitetônico com aparelhos de bolso”, será no dia 16/06, com Guilherme Guimarães Llantada, arquiteto e urbanista e fotógrafo. Professor na Univali , mestre em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade pela UFSC.

“Otimize a gestão do seu escritório”, será em 23/06, com o professor Ricardo Meira, graduado, mestre e doutorando em Arquitetura e Urbanismo pela UNB. É coordenador da pós EAD em Gestão de Escritórios de Arquitetura do IPOG.


Texto: Naiara Lima para Casa de la Gracia Comunica

Fotos: divulgação


Serviço:


Formato: aulas virtuais com os professores da Univali

Duração: de 26/05 a 23/06 - durante um mês, uma aula por semana, de 1 hora e 30 minutos cada

Horário: Das 17 às 18:30

Valor: Gratuito

Público: arquitetos, designers e interessados pelos temas (máximo de 200 pessoas por aula)

Certificado: Ao término do curso será concedido um certificado de formação continuada.